Dot.lib

Fonte: iStock Fonte: iStock
Conhecimento científico e senso comum: entenda a diferença
  • Artigo
  • COVID-19
  • 26/03/2021
  • novo coronavírus, ciência, conhecimento científico e senso comum

O termo “conhecimento” tem origem no latim congnoscere (com, “junto” e gnoscere, “obter conhecimento”), que significa “ato de conhecer". Há milênios, o ato ou efeito de conhecer fascina a humanidade em busca de respostas para estabelecer as relações entre o mundo e as experiências vivenciadas nele. 

Historicamente, os filósofos iniciaram esta tentativa incessante de entender o mundo e tudo o que há nele, seja concreto ou abstrato, de maneira conceitual. Por isso, ao longo dos anos, surgiram diversas maneiras que pudessem desmistificar e permitir uma melhor compreensão da verdade sobre a origem complexa da existência nos mais diferentes aspectos.

A seguir, vamos apresentar os conceitos de conhecimento científico e senso comum, além das diferenças entre esses dois tipos de linha de pensamento desenvolvidas pelo ser humano. 

Conhecimento científico 


Fonte: iStock

Conhecimento científico é a informação que analisa os fatos cientificamente comprovados. Sua base está na filosofia da ciência, em que todas as suposições, teorias e hipóteses passam por um processo de comprovação através de uma série de pesquisas e experimentos.

As principais características deste tipo de conhecimento são: sistematização, pois é necessária uma organização de um conjunto de ideias que são formadoras de uma teoria; o princípio da verificabilidade, toda teoria deve ser analisada e comprovada com base na ciência; falível (não é definitivo), consiste que uma determinada hipótese pode ser destituída ou substituída a partir de outras novas comprovações científicas.

Ciência e pandemia do novo coronavírus

Atualmente, com a pandemia de COVID-19, o campo da ciência tem ganhado cada vez mais importância no apoio às autoridades na construção das diretrizes para conter o avanço do SARS-CoV-2; uma vez que todo o seu processo constitui-se em comprovações científicas. Segundo o Índice do Estado da Ciência 2020 (em inglês, State of Science Index), realizado este ano, cerca de seis meses após o início da pandemia, revelou que a confiança na ciência aumentou para 89% em comparação aos dados dos anos anteriores.

Desde o início da descoberta do vírus, em dezembro de 2019, até hoje, pesquisadores estão constantemente realizando estudos baseados na ciência para entender as ações e sequelas do patógeno no corpo humano. Assim como as aprovações das vacinas contra a COVID-19 apenas foram concedidas após a validação pelas fases de testes que comprovaram a segurança e eficácia da substância estudada.

Logo, entende-se que para uma suposição ser reconhecida como um conhecimento científico, obrigatoriamente suas causas e efeitos precisam ser baseadas em observações que sirvam para atestar a veracidade ou falsidade de determinada teoria. 

Senso Comum 


Fonte: iStock

O conhecimento do senso comum é um conceito fundamentado na sabedoria e crendices populares que reflete o modo de pensar da maioria das pessoas, adquiridos por repetições das experiências e das culturas transmitidas de geração a geração. 

As principais características deste tipo de conhecimento são: não é testado e verificado detalhadamente, através de métodos científicos, para comprovar uma relação de causa e efeito, é categoricamente popular e culturalmente aceito. Além disso, não há garantias da sua validade ou invalidade.

Para o filósofo italiano Antonio Gramsci, senso comum é: 

“Um complexo de materialismo, dogmatismo e incoerência. O materialismo é o produto imediato da sensação bruta, percepção apenas das aparências dos fatos; é dogmático enquanto é ávido de certezas peremptórias, tendo a lógica formal como sua expressão; é Incoerente enquanto se assenta em uma mente infantil, constante através da história (incoerência sub-histórica) e na mentalidade de determinada civilização (incoerência histórica).”

 

Exemplos de senso comum

• O uso de plantas medicinais para tratamento de doenças. Por milênios, o ser humano busca se tratar de mazelas através de plantas e outros elementos da natureza. Ao descobrir através da observação que o boldo é uma planta com propriedades que estimulam a digestão e desintoxicam o sistema digestório, as pessoas começaram utilizá-la como planta medicinal.

• Associação entre o frio e a gripe: é um senso comum reproduzido principalmente pelos  mais antigos afirmando que se “pegar” frio ou uma friagem, vai ficar gripado. É uma conexão sem fundamentação científica, pois a gripe é uma doença causada por um vírus que pode se aproveitar da fragilidade pulmonar causada pelo frio. Logo, a infecção pelo patógeno da gripe depende da situação imunológica da pessoa.

• As fases da lua e a influência no corte de cabelo:  provavelmente você já ouviu a frase “é importante cortar os cabelos na lua crescente para que cresçam mais rápido”. Os  conselhos e ditados populares fazem parte do senso comum e são tidos como verdades. Por isso, torna-se uma herança cultural seguida e implementada no dia a dia pelo povo, sem questionamentos.

Diferença entre conhecimento científico e senso comum 

O conhecimento científico e o senso comum podem ser considerados duas formas de pensamentos distantes de como o Homem se relaciona com a verdade. No conhecimento científico, a sua base para afirmar uma verdade passa por experimentos e métodos científicos, que comprovam a confiabilidade de uma hipótese.

Já o segundo conceito é uma herança cultural que se torna uma constante, fundamentada em crenças e hábitos de uma determinada sociedade. Além disso, não é questionável e apenas determina o motivo sem apresentar os caminhos que conduziram a uma conclusão.

No entanto, embora a ciência seja a fonte de conhecimento que apresenta mais segurança, é importante ressaltar que o senso comum pode ser capaz de fornecer hipóteses para as pesquisas científicas. Por isso, é possível considerar que o senso comum é um elemento impulsionador da ciência. 

Para o filósofo brasileiro e professor de filosofia da Faculdade de Educação da Unicamp, Silvio Gallo, "o senso comum pode ser um bom ponto de partida para se chegar a conhecimentos mais seguros”. E, segundo a afirmação do biólogo Thomas Henry Huxley, “a ciência é apenas senso comum treinado e organizado”.

Leia também: 

Por que ler artigos científicos? 

Pesquisa Clínica: entenda o que é e como funciona o seu processo de validação

 

Dot.Lib
Dot.Lib

A Dot.Lib distribui conteúdo online científico e acadêmico a centenas de instituições espalhadas pela América Latina. Temos como parceiras algumas das principais editoras científicas nacionais e internacionais. Além de prover conteúdo, criamos soluções que atendem às necessidades de nossos clientes e editoras.

Quer conhecer o nosso conteúdo?

Podemos lhe oferecer trials (períodos de acesso de teste gratuitos) dos conteúdos de nossas editoras parceiras. Se você tem interesse em conhecer alguma de nossas publicações ou soluções de pesquisa, preencha o formulário ao lado.

Informe os dados abaixo.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza a Dot.Lib a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.