Dot.lib

Fonte: Reprodução Internet Fonte: Reprodução Internet
5 vacinas mais rápidas da história
  • Artigo
  • Ciências da Saúde, COVID-19
  • 05/03/2021
  • NEJM, caxumba, sarampo, Hepatite B, HPV

A classificação de pandemia é designada quando uma doença se espalha por todos os continentes, afetando um grande número de pessoas e com transmissão sustentada de novos casos nos locais atingidos. No passado, diversos países enfrentaram um cenário pandêmico com o aparecimento de vírus que provocaram milhares de mortes.

Apesar dos avanços tecnológicos ao longo dos anos, as pandemias seguem provocando um colapso na saúde pública mundial. Atualmente, a crise causada pela COVID-19 promoveu uma mobilização de pesquisadores em várias partes do mundo na busca incessante por um tratamento eficaz para frear o avanço do SARS-COV-2 e, consequentemente, reduzir as taxas de casos de infecção e mortalidade.

Diante dessa urgência, os cientistas em menos de um ano conseguiram desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus. No entanto, essa criação em tempo recorde já pode ser considerada uma exceção, uma vez que não é um período comum para produção de um imunizante. 

Historicamente, as vacinas no combate aos vírus que transmitem diferentes doenças infecciosas demoraram muitos anos para serem produzidas. A seguir, vamos apresentar as 5 vacinas desenvolvidas com mais rapidez nos últimos tempos.

COVID-19

Em parceria com a empresa alemã BioNTech, a farmacêutica Pfizer saiu da frente e desenvolveu o imunizante contra a COVID-19 em tempo recorde: 10 meses. Agora, já é  considerada a vacina criada e aprovada com mais rapidez na história.

Batizada de BNT162b2, foi a primeira vacina a ser autorizada para uso emergencial no mundo. Na sua produção foi utilizado o RNA mensageiro (mRNA) para simular o material genético do vírus, sem que o mesmo cause a doença. Desta forma, ao entrar no organismo, o sistema imunológico é ativado e estimula a produção de anticorpos capazes de combater o vírus. 

Um artigo “Safety and Efficacy of the BNT162b2 mRNA Covid-19 Vaccine” (Segurança e eficácia da vacina BNT162b2 mRNA Covid-19), publicado no periódico New England of Medicine Journal (NEJM), descreve as conclusões sobre eficácia e segurança desta vacina. Ao administrar duas doses desse imunizante (30 mg por dose, administrado com 21 dias de intervalo) foi atestada a sua segurança contra a infecção e 95% eficaz entre pessoas acima de 16 anos.

Caxumba



A vacina contra a
caxumba ou papeira foi desenvolvida pelo microbiologista norte-americano Maurice Hilleman na década de 1960. Ele criou a vacina para o tratamento da caxumba a partir de amostras que foram coletadas da garganta da sua filha JeryL Lynn, de 5 anos, que contraiu a doença.

Em 1963, a menina acordou com dores de garganta, não conseguia dormir e por causa dos sintomas ele percebeu que era caxumba, que na época a cura era desconhecida. Diante desse quadro, o microbiologista começou a cultivar uma versão enfraquecida do vírus retirado da garganta da menina com o objetivo de criar uma vacina para a doença infecciosa. 

Os testes foram realizados na indústria farmacêutica onde trabalhou durante grande parte de sua vida e os resultados foram promissores. Em 1967, a vacina estava pronta e licenciada, o processo todo teve duração de 4 anos. Em homenagem a sua filha, a cepa de caxumba foi batizada de “Jeryl Lynn”. Antes da COVID-19, era a vacina mais rápida registrada na história. 

Sarampo

O sarampo é uma doença causada por um vírus de RNA que pertence ao gênero Morbillivirus, da família Paramyxoviridae. Sua transmissão pode ocorrer através de secreções eliminadas quando a pessoa infectada fala ou tosse, sendo a única forma de prevenção a vacinação.

Considerado o “pai das vacinas modernas”, Maurice Hilleman desenvolveu mais de 40 imunizantes para seres humanos, sendo também o criador da vacina para o sarampo. Sua fórmula foi desenvolvida através de antígenos antivirais existentes na corrente sanguínea humana.

O vírus causador desta doença foi descoberto em 1953 e o processo de criação até a aprovação durou 10 anos, em 1963. Mais tarde, em 1971, o médico combinou a vacina contra a caxumba que desenvolveu contra o sarampo e a rubéola, criando uma única dose: a Tríplice Viral, usada até hoje. 

Durante muitas décadas no Brasil, o sarampo foi uma das principais causas de mortalidade infantil no país. Em 1968, a doença passou a ser considerada de notificação compulsória nacional, quando foram registrados mais de 129 mil casos. 

Hepatite B



A
 hepatite B é uma infecção no fígado causada pelo vírus B da hepatite (HBV), que causa cirrose e câncer. Ela foi identificada, na década de 1960, pelo geneticista Baruch Blumberg, ao isolar o que chamou de "Antígeno da Austrália" (agora chamado de HBsAg) no soro de um nativo australiano. Em 1965, a descoberta do antígeno Austrália foi publicada no Journal of the American Medical Association (JAMA), com o título “A New antigen in Leukemia sera”. 

Este feito viabilizou a criação das primeiras vacinas contra hepatite B, através da obtenção do antígeno imunizante diretamente do sangue de portadores humanos do vírus, o que significou uma abordagem única para a produção de uma vacina. Entre a descoberta do vírus e a criação dos imunizantes para combater a infecção durou cerca de 16 anos.

Atualmente, a vacina usada na prevenção da doença contém uma das proteínas do vírus, o antígeno de superfície da hepatite B (HBsAg), sendo produzida por células de levedura, nas quais o gene para HBsAg é inserido. A resposta imune ocorre quando os anticorpos do sistema imunológico para HBsAg são estabelecidos na corrente sanguínea, esse anticorpo é conhecido como anti-HBs e forma a memória do sistema imunológico contra a infecção.

HPV



O papilomavírus humano (HPV) é uma doença sexualmente transmissível (DTS) que pode causar verrugas até câncer, sendo considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das mais comuns. 

A doença chamou a atenção do imunologista Ian Frazer e foi um dos primeiros cientistas a estudar a relação entre infecções por HPV e câncer cervical. Em 1989, Frazer conheceu o cientista chinês Jian Zhou, que também estudava sobre o vírus, e juntos iniciaram um trabalho para tentar criar uma vacina contra a doença.

Para isso, usaram técnicas de engenharia genética para copiar a estrutura do vírus, a partir da identificação de seu código genético e testes em culturas de células. Após diversos testes, conseguiram replicar a camada externa do HPV e logo patentearam a descoberta. Em 1991, a vacina, que protege contra ⅔ dos tipos de HPV que causam câncer cervical, foi licenciada e iniciou a sua produção por laboratórios. Ao todo, a produção desta vacina durou cerca de 25 anos.  

Dot.Lib
Dot.Lib

A Dot.Lib distribui conteúdo online científico e acadêmico a centenas de instituições espalhadas pela América Latina. Temos como parceiras algumas das principais editoras científicas nacionais e internacionais. Além de prover conteúdo, criamos soluções que atendem às necessidades de nossos clientes e editoras.

Quer conhecer o nosso conteúdo?

Podemos lhe oferecer trials (períodos de acesso de teste gratuitos) dos conteúdos de nossas editoras parceiras. Se você tem interesse em conhecer alguma de nossas publicações ou soluções de pesquisa, preencha o formulário ao lado.

Informe os dados abaixo.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza a Dot.Lib a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.