Dot.lib

Confira 4 cientistas imprescindíveis no combate à COVID-19 no Brasil. (Fonte: iStock). Confira 4 cientistas imprescindíveis no combate à COVID-19 no Brasil. (Fonte: iStock).
4 cientistas brasileiros que fizeram a diferença no combate à COVID-19 no Brasil
  • Artigo
  • 30/04/2021
  • pesquisadores brasileiros, Edison Durigon, Patricia Rocco, Marisa Dolhnikoff, Amilcar Tanuri

A pandemia de COVID-19 no Brasil completou 1 ano no mês passado, mas segue quebrando recordes tristes e batendo recordes diariamente. Ainda que o processo de vacinação já tenha se iniciado em diversos países, o Brasil ainda caminha a passos lentos na imunização da população.

Em meio a esse cenário, os cientistas foram e continuam sendo fundamentais para o combate à pandemia de COVID-19 no Brasil. Os cientistas atuam de maneira incessante, seja para produzir artigos científicos que informem melhor os profissionais da saúde, seja com a busca por medicamentos mais eficazes e o desenvolvimento de vacinas.

No mês passado, a Dot.Lib destacou 4 cientistas brasileiras que foram imprescindíveis no enfrentamento da COVID-19 no país. Hoje a lista é estendida com mais 4 cientistas que foram fundamentais para conter o avanço e auxiliar no tratamento da doença no Brasil. Confira a lista a seguir.

Edison Durigon

Chefe do departamento de microbiologia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP), Edison Durigon é um dos cientistas à frente do combate à COVID-19 no Brasil. 

Reconhecido como um dos principais virologistas do país, o cientista já esteve atuante em outras doenças infecciosas como a zika e o H1N1. Agora, na pandemia do novo coronavírus, foi responsável por isolar e cultivar o vírus em território nacional, junto à sua equipe, para distribuir aos pesquisadores do país no controle da reação do exame PCR.

Através de microscopia e cultura de células, o pesquisador e sua equipe conseguiram melhorar a qualidade dos testes de RT-PCR produzidos no Brasil. Além de possibilitar a distribuição do vírus inativo para laboratórios.

Patricia Rocco

Patricia Rocco é professora e chefe do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É considerada uma das maiores autoridades do Brasil na pesquisa e entendimento de patogêneses e desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas para doenças respiratórias. Iniciou seus trabalhos com a COVID-19 em abril de 2020, no início da pandemia no Brasil.

A partir de estudos sobre o novo vírus, até então pouco conhecido, a médica começou a testar possíveis tratamentos eficazes para a COVID-19. Rocco encabeçou pesquisas acerca da utilização da nitazoxanida, mas o medicamento não apresentou eficácia comprovada contra o coronavírus.

Logo após, iniciou estudos com a injeção do cultivo de células tronco (mesenquimais) com apoio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em pacientes com a doença. A pesquisa, que ainda não passou por testes com placebos para que seja confirmada sua eficácia, pode melhorar a inflamação causada pelo vírus. Ela pode ser capaz de impedir a fibrose pulmonar em pacientes e conter complicações causadas por bactérias comuns em ambientes hospitalares, especialmente em Centros de Terapia Intensiva (CTI).

Marisa Dolhnikoff

Pneumologista e pesquisadora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), Marisa Dolhnikoff foi uma das primeiras a iniciar os testes em pacientes que morreram infectados pela COVID-19.

Ao utilizar a técnica pioneira de Autópsias Minimamente Invasivas (AMI), a cientista conseguiu entender de que forma o SARS-CoV-2 afeta o corpo humano. Desta forma, foi possível conhecer o vírus, para que fossem propostos medicamentos para seu combate com mais rapidez; dando chance de reduzir a mortalidade pela doença e entender de que forma a infecção causada pode afetar o corpo a longo prazo.

Além disso, graças ao seu trabalho, Marisa tornou a atuação dos profissionais de saúde na linha de frente contra a doença mais segura. Isso porque todo o procedimento de autópsia foi realizado através de agulhas e ultrassom portátil, sem que fosse necessário abrir os corpos. As técnicas utilizadas foram fundamentais para entender quais são os mecanismos envolvidos nas perdas funcionais causadas pelos vírus.

Amilcar Tanuri

O virologista Amilcar Tanuri, chefe de biologia molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), conduz uma pesquisa que consiste na aplicação do método Crispr/Cas9 combinado ao vírus atenuado. A técnica foi criada pela francesa Emmanuelle Charpentier e a norte-americana Jennifer A. Doudna, tendo sido laureada no Prêmio Nobel de Química de 2020.

Um dos grandes cientistas brasileiros na área de virologia, médico e doutor em biofísica, Amilcar é um dos descobridores da variante P2 do novo coronavírus, identificado pela primeira vez no Rio de Janeiro. O cientista e sua equipe pretendem tornar a vacinação mais segura, utilizando a técnica de edição genética, retirando os genes que o tornam virulento e substituindo por outro sensível ao antiviral Aciclovir.

Dot.Lib
Dot.Lib

A Dot.Lib distribui conteúdo online científico e acadêmico a centenas de instituições espalhadas pela América Latina. Temos como parceiras algumas das principais editoras científicas nacionais e internacionais. Além de prover conteúdo, criamos soluções que atendem às necessidades de nossos clientes e editoras.

Quer conhecer o nosso conteúdo?

Podemos lhe oferecer trials (períodos de acesso de teste gratuitos) dos conteúdos de nossas editoras parceiras. Se você tem interesse em conhecer alguma de nossas publicações ou soluções de pesquisa, preencha o formulário ao lado.

Informe os dados abaixo.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza a Dot.Lib a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.