Dot.lib

(Fonte: iStock) (Fonte: iStock)
Vacinas contra COVID-19: o que os reumatologistas precisam saber
  • Artigo
  • Ciências da Saúde, COVID-19
  • 13/08/2021
  • DotLib, COVID-19, Vacinas, Reumatologia, The Journal of Rheumatology

Em janeiro de 2020, uma nova cepa de coronavírus foi identificada e cerca de 3 meses depois, foi declarada a pandemia. Em 9 meses, a primeira vacina recebeu autorização de emergência. Acompanhar a “infodemia” tem sido um trabalho árduo, devido ao ritmo incomparável dos estudos científicos acerca do tema.

Neste artigo, o trabalho sobre a produção de uma vacina será brevemente apresentado de maneira relevante para os médicos que administram pacientes com modulação imunológica.

Sobre as vacinas contra o SARS-CoV-2

O SARS-CoV-2 é um vírus de RNA de fita simples e de sentido positivo. Como outros coronavírus, possui quatro componentes estruturais: pico, envelope, membrana e proteínas do nucleocapsídeo. A proteína spike facilita a ligação e a fusão às células hospedeiras, tornando-a um antígeno de vacina atraente.

Existem três abordagens no desenvolvimento de uma vacina contra SARS-CoV-2: (1) anexar a proteína spike a um vetor viral não replicante; (2) usar tecnologia de RNA mensageiro (mRNA) para induzir a síntese da proteína spike do hospedeiro; e (3) entrega de proteína de pico com um adjuvante.

A vacina AstraZeneca segue a primeira abordagem, usando um vetor deficiente de adenovírus de chimpanzé para replicação contendo o gene spike. Uma vez dentro da célula, o vetor usa a maquinaria molecular existente na célula para transcrever DNA em mRNA e produzir a proteína spike

Vacinas baseadas em vetores virais deficientes para replicação têm sido usadas com segurança em indivíduos imunossuprimidos.

A segunda abordagem é empregada pela Pfizer / BioNTech e Moderna, que produziram as primeiras vacinas a serem licenciadas usando a tecnologia de mRNA sintético. 

O mRNA está dentro de uma gota lipídica, protegendo-a da degradação enzimática e permitindo a entrada na célula. A fita de mRNA induz a síntese de proteína de pico sem entrar no núcleo da célula ou afetar o material genético.

Por fim, a Novavax desenvolveu uma vacina à base de proteína, atualmente em apresentação para licenciamento. Fabricada a partir de células de mariposas infectadas com baculovírus, o imunizante contém um gene spike modificado que produz a proteína spike

Tudo isso é colhido, montado em nanopartículas e combinado com um adjuvante de iniciação da imunidade (matriz M1), aumentando a resposta à vacina. A proteína spike é absorvida pelas células e apresentada em sua superfície.

Eficácia

Os ensaios de vacina na fase 3 demonstraram alta eficácia: acima de 90% com Pfizer / BioNTech e Moderna; 70% com AstraZeneca. As comparações diretas são problemáticas devido às diferenças na averiguação de casos da COVID-19 entre os estudos. 

É importante ressaltar que a vacina AstraZeneca não identificou efeitos adversos incomuns nos pacientes com COVID-19 grave que necessitaram de hospitalização.

Os pacientes que recebem imunossupressão são considerados clinicamente extremamente vulneráveis (CEV) e é recomendado que sejam prioridade nas campanhas de vacinação. 

Atualmente, não há dados sobre a resposta imune às vacinas SARS-CoV-2 em pacientes recebendo imunossupressão. Os ensaios publicados excluíram pacientes imunossuprimidos e a maioria listou doenças autoimunes em seus critérios de exclusão.

É possível que indivíduos que recebem terapia imunossupressora possam apresentar respostas imunes menos robustas às vacinas SARS-CoV-2, como é observado com outras vacinas nesta população de pacientes, sujeito ao tipo e dose de imunossupressão. 

Por exemplo, uma redução de 30-40% na resposta de IgG é observada com a vacinação contra influenza em pacientes em metotrexato (MTX).

No entanto, os dados do ensaio demonstraram títulos comparativamente altos de anticorpos neutralizantes contra SARS-CoV-2 pós-vacinação em indivíduos imunocompetentes em comparação com o que ocorre após a infecção natural.

Portanto, é provável que os pacientes imunossuprimidos apresentem títulos de anticorpos neutralizantes clinicamente significativos, mesmo que sejam numericamente mais baixos do que os indivíduos imunocompetentes. Estima-se que a pesquisa nesta área seja publicada em breve.

É tentador considerar a medição da resposta sorológica para determinar a imunogenicidade da vacina. Alguns testes comerciais de anticorpos de COVID-19 medem a resposta imune ao nucleocapsídeo e não ao pico da proteína; esses testes permaneceram negativos após a vacinação. 

Também não está claro se os títulos de anticorpos são melhores substitutos da eficácia da vacina. As medidas de resposta das células T podem ser superiores.

Relatos de novas variantes do SARS-CoV-2 são preocupantes, já que as mutações poderiam teoricamente evitar a resposta de anticorpos induzida pela vacina. A Pfizer e a Moderna testaram o soro de pacientes imunizados e demonstraram neutralização eficaz para a cepa do Reino Unido (B.1.1.7), mas capacidade reduzida contra a variante da África do Sul (B.1.351).

O verdadeiro efeito dos eventos de mutação será esclarecido pela proporção de pacientes totalmente vacinados posteriormente hospitalizados com uma cepa variante.

Prolongamento do cronograma de dosagem

O programa de vacinação contra o SARS-CoV-2 do Reino Unido adiou a segunda dose, uma decisão não replicada em outros países até agora e que gerou muito ceticismo por parte da comunidade médica. Isso se baseia na priorização das primeiras doses para o maior número possível de pessoas.

A compreensão do efeito desse retardo requer a consideração das razões para a dosagem sequencial da vacina: (1) para aumentar a resposta imune inicial; e (2) para fortalecer a durabilidade da resposta. 

A resposta imune inicial às vacinas contra o SARS-CoV-2 licenciadas é forte, mas incertezas permanecem sobre a duração da proteção oferecida.

Um estudo da AstraZeneca incluiu um espaçamento maior entre as doses: 59% do Reino Unido e 19% dos participantes do estudo brasileiro receberam a segunda dose entre 9 e 12 semanas (ou mais) após a primeira. 

A eficácia da vacina após a segunda dose foi maior em pacientes com mais de 6 semanas entre as doses (65% versus 53%). Isso é visto em vacinações de rotina, onde o aumento da duração entre as doses é vantajoso para fortalecer a durabilidade do IgG.

Há evidências limitadas sobre a proteção oferecida por uma única dose da vacina contra o SARS-CoV-2. A Pfizer / BioNTech relata eficácia da vacina de 52% após a primeira dose até a segunda (com espaçamento de 3 semanas), aumentando para mais de 90% após a segunda dose. 

Isso não significa que a primeira dose seja 52% eficaz, pois espera-se que a resposta imunológica se fortaleça independentemente da segunda dose.

Simplesmente não há dados sobre a eficácia de uma dose única além de 21 dias. A análise exploratória da Public Health England (dados completos não disponíveis publicamente) dos participantes do ensaio AstraZeneca que receberam uma dose padrão relata eficácia de 73 %.

Há justificativa para o espaçamento das doses do ponto de vista da saúde pública. Dado que o Reino Unido estava seguindo uma trajetória semelhante a outros países europeus, é possível que esteja enfrentando uma terceira onda de infecção por COVID-19.

O programa de vacinação do Reino Unido imunizou 15 milhões de pessoas — que integram grupos de risco e são responsáveis por 88% de todas as mortes de COVID-19 — com a primeira dose em fevereiro. 

Adiar a segunda dose será uma compensação entre a imunidade individual anterior mais forte e avançando em direção à imunidade de rebanho da população.

Tal como está, organizações internacionais e órgãos reguladores — como o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, a Organização Mundial da Saúde (OMS), Administração de Alimentos e Medicamentos (FDA), também dos EUA, Agência Europeia de Medicamentos (EMA) — aconselharam que os calendários de vacinação devem ser seguidos conforme projetado nos testes de vacinas. 

Enquanto o resto do mundo assiste, o tempo dirá se a decisão do Reino Unido foi acertada.

Sobre a imunossupressão 

Em pacientes imunossuprimidos, a justificativa para o espaçamento das doses é complexa. O embotamento da resposta imune inicial e o tempo de vacinação em torno do tratamento com drogas antirreumáticas modificadoras da doença (DMARD) requerem consideração.

As diretrizes atuais aconselham que as vacinas de rotina sejam administradas durante a doença quiescente e antes da imunossupressão planejada. Dada a história natural imprevisível de doenças autoimunes em termos de exacerbação, não é prático arriscar adiar a vacinação para aguardar o controle da doença.

Para os pacientes que estão iniciando o tratamento imunossupressor planejado, as recomendações nacionais do Reino Unido aconselham que as vacinas SARS-CoV-2 sejam oferecidas pelo menos 2 semanas antes da terapia, quando seu sistema imunológico está mais apto a responder, e que a segunda dose seja administrada antes do início do tratamento. 

Isso provavelmente exige o oferecimento da segunda dose no espaçamento mínimo recomendado (de 3 a 4 semanas após a primeira dose).

Para pacientes que já estão em modulação imunológica, a literatura sobre vacinações de rotina pode ser extrapolada. No entanto, as respostas diferem entre as vacinações. DMARDs sintéticos e biológicos demonstram imunogenicidade com a vacina contra influenza, mas mudanças na resposta sorológica são vistas com a vacina pneumocócica.

O rituximabe suprime claramente as respostas humorais a ambas as vacinas e prevê-se que exerça um efeito semelhante nas vacinas SARS-CoV-2. O conselho geral para vacinar pelo menos 6 meses após a administração e 4 semanas antes do próximo ciclo de terapia de depleção de células B pode não ser possível com as vacinas SARS-CoV-2, especialmente se usar intervalos de dosagem mais longos.

As diretrizes atuais de vacinação de rotina sugerem que a imunização pode ser considerada sob a terapia de depleção de células B, levando em consideração uma possível resposta abaixo de ótima à vacina. Esta pode ser uma decisão pragmática, feita individualmente. Para alguns pacientes, pode haver justificativa para interromper a terapia DMARD sintética convencional.

Isso é demonstrado em ensaios clínicos randomizados e controlados de vacina contra influenza, onde as respostas de IgG foram maiores quando o MTX foi descontinuado por 2 semanas após a vacinação. 

O benefício de interromper o tratamento pode ser compensado pela exacerbação da doença. O controle desestabilizador da doença durante a pandemia pode representar um risco maior.

Efeitos adversos e segurança

Existem dados limitados sobre a segurança da vacina SARS-CoV-2 em nossa população de pacientes. Os efeitos colaterais agudos em voluntários saudáveis ​​incluem febre, mialgia, dor de cabeça, náusea, fadiga e reações no local da injeção. 

Estes podem ser mais pronunciados após a segunda dose. O risco de alergia é maior com a vacina Pfizer-BioNTech (1: 100.000 versus 1: 1.000.000 com a maioria das vacinas).

Isso pode estar relacionado ao ingrediente polietilenoglicol (PEG, também na vacina Moderna; alergia semelhante ao PEG é relatada com certolizumabe pegol. 

O FDA e a Agência Europeia de Avaliação de Medicamentos aconselham os indivíduos com alergia / anafilaxia grave a qualquer componente da vacina a evitar a vacinação. Os efeitos de longo prazo ainda não foram definidos.

Há um risco teórico de que a vacina possa desencadear autoimunidade por mimetismo molecular, com anticorpos para proteínas de pico reagindo de forma cruzada com proteínas do hospedeiro estruturalmente semelhantes. As vacinas também podem conduzir a inflamação por sua potente resposta ao interferon tipo 1.

Isso ainda será mais bem descrito e a literatura atual sobre as vacinas aplicadas nos pacientes é tranquilizadora, sem alterações na atividade da doença e apenas eventos adversos leves, embora os estudos sobre a segurança ainda sejam insuficientes e não tenham sido capazes de detectar eventos raros.

A segurança das vacinas SARS-CoV-2 permanecerá sob imenso escrutínio nos próximos meses. Relatos de trombose do seio venoso central combinada com trombocitopenia ocorrendo nos dias após a vacinação foram descritos e estão atualmente sob investigação pela EMA. 

As estimativas de risco e benefício claramente favorecem a vacinação e a narrativa dos profissionais de saúde aos pacientes e ao público em geral será crucial para manter a confiança.

Conclusão

Os benefícios das vacinas SARS-CoV-2 superam os riscos para nossos pacientes. Mesmo que a vacinação produza uma resposta IgG menor, provavelmente ainda confere proteção. No momento, não há justificativa para escolher uma vacina em vez de outra.

Uma decisão universal sobre a interrupção do DMARD não foi feita e pode haver médicos que tomam decisões personalizadas para seus pacientes. Pesquisas futuras precisam abordar a questão da eficácia da vacina (não apenas imunogenicidade) em pacientes com doenças reumáticas autoimunes.

Fonte: texto traduzido livremente a partir do artigo do The Journal of Rheumatology - The COVID-19 Vaccine Landscape: What a Rheumatologist Needs to Know”.

Dot.Lib
Dot.Lib

A Dot.Lib distribui conteúdo online científico e acadêmico a centenas de instituições espalhadas pela América Latina. Temos como parceiras algumas das principais editoras científicas nacionais e internacionais. Além de prover conteúdo, criamos soluções que atendem às necessidades de nossos clientes e editoras.

Quer conhecer o nosso conteúdo?

Podemos lhe oferecer trials (períodos de acesso de teste gratuitos) dos conteúdos de nossas editoras parceiras. Se você tem interesse em conhecer alguma de nossas publicações ou soluções de pesquisa, preencha o formulário ao lado.

Informe os dados abaixo.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza a Dot.Lib a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.