Dot.lib

Saiba em detalhes o que é esse problema e como evitá-lo sem perder de vista a eficácia terapêutica ou a segurança do paciente (imagem: iStock). Saiba em detalhes o que é esse problema e como evitá-lo sem perder de vista a eficácia terapêutica ou a segurança do paciente (imagem: iStock).
Interação medicamentosa: o que é e como evitar
  • Artigo
  • Ciências da Saúde, Dotlib, Tecnologia
  • 02/09/2022
  • Cognys Meds, DotLib, Farmácia Clínica, Farmacoterapia, Interação Medicamentosa, Medicamentos

O dia a dia do farmacêutico hospitalar ou clínico é, sem dúvidas, muito corrido. Como um profissional multidisciplinar, ele precisa lidar com uma série de tarefas que não se atém somente à posologia dos medicamentos, mas também compreende a administração dos recursos da farmácia clínica e a interação com médicos, enfermeiros e pacientes.

Além da precisão, a realização dessas tarefas demanda múltiplos conhecimentos: médicos/científicos, administrativos, farmacológicos, entre outros. No entanto, a sobrecarga de afazeres e o cansaço podem induzir o profissional clínico ao erro, sendo a interação medicamentosa um dos mais temidos.

Estudos revelam que 15% dos pacientes idosos sofrem algum dano devido a interações medicamentosas e 70% dos pacientes em UTI têm interações significativas dentro de 24 horas de internação. A ocorrência pode não só aumentar a média do tempo de internação de 8 para 20 dias, mas custar cerca de R$ 10 mil às instituições de saúde por desfecho adverso decorrente da interação.

Neste artigo, você ficará por dentro do que é a interação medicamentosa, com exemplo, dicas para evitar que esse evento clínico ocorra e conhecerá um recurso que pode ajudar a aperfeiçoar as práticas farmacêuticas clínicas.

O que é interação medicamentosa?

Idosa tomando vários remédios

Imagem: iStock.

Uma interação medicamentosa é caracterizada como uma alteração clinicamente relevante na absorção, ação ou eliminação de medicamentos que podem ocorrer quando outra substância, pura ou composta, é administrada no paciente. Esse evento pode ocorrer entre medicamentos ou entre um remédio e algum alimento.

Com essa interação, os remédios podem tanto perder sua eficácia quanto ter seus efeitos potencializados. Além disso, há o risco de gerar os temidos efeitos adversos, entre os quais constam sangramento, convulsões, perda de eficácia, sonolência, toxicidade, entre outros sintomas a depender da combinação química.

Exemplo de interação medicamentosa

Paciente internado na UTI e em tratamento medicamentoso

Imagem: Canva.

Um paciente de 60 anos chega ao pronto-socorro com febre, tosse e dispneia. Um exame de raio-X apresentou infiltrado alveolar pulmonar e a equipe médica o diagnosticou com pneumonia adquirida na comunidade.

Como o paciente não precisou fazer uso de antibióticos há, pelo menos, três meses, não possui fatores de risco para Streptococcus pneumoniae resistente e não preenche os critérios do CURB-65 (uma escala de predição de mortalidade). Desse modo, a Claritromicina 500 mg é prescrita para ser tomada via oral, duas vezes ao dia, por 7 dias. Em seguida, o paciente recebe alta e continua o tratamento em casa.

No entanto, quatro dias depois, paciente idoso volta ao pronto-socorro com fraqueza generalizada, mialgia, edema e urina marrom escura. Os exames apresentam creatinofosfoquinase (CPK) elevada e o diagnóstico é de rabdomiólise — uma lesão no tecido muscular que pode levar à insuficiência renal aguda, insuficiência respiratória e choque.

Para evitar que um quadro de insuficiência renal se desenvolva, foram administrados manitol, bicarbonato e furosemida; a equipe médica também considera a realização de sessões de hemodiálise. O paciente fazia uso de sinvastatina para dislipidemia (uma espécie de colesterol anormalmente elevado), quadro prévio aos dois atendimentos hospitalares.

As duas visitas ao pronto socorro estão relacionadas: na primeira, o homem recebeu um medicamento (claritromicina) que interagiu com outro que já utilizava antes (sinvastatina), causando o desfecho da rabdomiólise, motivo da segunda visita.

Como evitar?

Médica com dúvidas

Imagem: iStock.

Algumas práticas podem ser incluídas ou reforçadas no cotidiano do profissional clínico para realizar a reconciliação medicamentosa: entre elas, realizar a anamnese do paciente. Essa medida consiste em fazer uma lista completa com todos os medicamentos que o paciente toma em casa de modo que seja possível compará-la com prescrições realizadas desde o momento da admissão hospitalar até a alta do paciente. Assim, será possível garantir que a farmacoterapia surta os efeitos esperados sem comprometer a segurança do paciente

Muitos casos de interação medicamentosa que resultam em emergências e internações ocorrem fora do ambiente hospitalar. A educação e conscientização do paciente sobre o potencial adverso da mistura de medicamentos são essenciais para a prevenção do problema e auxiliam toda a equipe envolvida a formular um tratamento preciso.

Mas a conscientização do paciente só será eficaz se o profissional clínico se atualizar constantemente sobre as interações medicamentosas, em especial as mais recorrentes na especialidade atendida. Para isso, é importante reservar um tempo para ler artigos científicos, e-books especializados, entre outras fontes de informação confiáveis.

Tecnologia como aliada

Tela do menu dos recursos Cognys Meds

Imagem: Cognys Meds / Dot.Lib

O tempo é um fator crucial para que todas as tarefas sejam realizadas e todos os cuidados sejam tomados com sucesso. Além disso, nos serviços de saúde, decisões clínicas relacionadas aos medicamentos são tomadas o tempo todo e devem estar baseadas em evidências científicas e na confiabilidade das informações.

Em uma rotina desafiadora como a do ambiente hospitalar, a tecnologia pode ser uma aliada na redução de erros ou imprecisões humanas, trazendo economia de tempo e de custos hospitalares, sem abrir mão da eficácia do tratamento farmacológico e da segurança do paciente.

Dessa forma, o Cognys desenvolveu a plataforma Cognys Meds — com tecnologia Micromedex — que traz um conjunto de ferramentas como aliadas na prevenção desse problema. De uso fácil e intuitivo, a plataforma otimiza o cotidiano dos profissionais clínicos e auxilia na garantia da segurança do paciente.

Com o auxílio do banco de dados da Micromedex, você terá acesso às informações claras e completas sobre as interações entre os medicamentos listados, bem como outras possibilidades de interação.

Tela do LIMPA com opção de interações medicamentosas

Imagem: Cognys Meds / Micromedex / Dot.Lib

A Lista de Medicamentos do Paciente (LIMPA) pode ajudar a ganhar tempo, uma vez que o recurso permite criar listas de medicamentos personalizadas para cada paciente que ficam armazenadas em links individuais. Assim, todas as informações estarão salvas e disponibilizadas com fácil acesso aos profissionais clínicos.

Como acessar o Cognys Meds

Quer saber mais sobre como a ferramenta pode aumentar a produtividade, minimizar custos e riscos, além de facilitar o dia a dia da sua equipe de trabalho ou instituição? Entre em contato com a Dot.Lib clicando aqui ou pelo info@dotlib.com.

Dot.Lib
Dot.Lib

A Dot.Lib distribui conteúdo online científico e acadêmico a centenas de instituições espalhadas pela América Latina. Temos como parceiras algumas das principais editoras científicas nacionais e internacionais. Além de prover conteúdo, criamos soluções que atendem às necessidades de nossos clientes e editoras.

Quer conhecer o nosso conteúdo?

Podemos lhe oferecer trials (períodos de acesso de teste gratuitos) dos conteúdos de nossas editoras parceiras. Se você tem interesse em conhecer alguma de nossas publicações ou soluções de pesquisa, preencha o formulário ao lado.

Informe os dados abaixo.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza a Dot.Lib a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade ou Política de Cookies.