Dot.lib

(Fonte: iStock) (Fonte: iStock)
Ensino escolar remoto e seus efeitos na saúde mental infanto-juvenil
  • Artigo
  • Saúde Pública
  • 17/09/2021
  • Saúde Mental, JAMA Network Open, DotLib, Ensino escolar remoto, Crianças e jovens

O fechamento de escolas foi amplamente utilizado como prática de diminuição de contágio e casos de COVID-19 durante a respectiva pandemia, o que resultou em interrupção da escolaridade para a maioria dos jovens em idade escolar.

Há um consenso na sociedade que um ensino de qualidade possibilita maior qualidade de vida e diminui desigualdades sociais. Porém, com o advento da pandemia de COVID-19, essa possibilidade se tornou mais distante e revelou um outro problema: a saúde mental das crianças e adolescentes.

No mês do “Setembro Amarelo” — dedicado ao debate e prevenção ao suicídio — o artigo DotLib dessa semana traz uma investigação original do nosso parceiro, o periódico científico Journal of American Medical Association (JAMA), sobre como as aulas remotas podem impactar o desenvolvimento psicológico das nossas crianças e adolescentes.

Cenário

Nos Estados Unidos, as estimativas sugerem que, em novembro e dezembro de 2020, aproximadamente metade dos alunos do jardim de infância até o segundo grau frequentaram a escola remotamente. Outros 19% frequentaram a escola em um modelo híbrido que combinava instrução remota e presencial e 28% frequentaram a escola totalmente presencial.

Houve variabilidade socioeconômica na modalidade de ensino, com grupos de baixa renda, especialmente afrodescendentes e hispânicos, os mais propensos a frequentar a escola totalmente remota.

As interrupções relacionadas à pandemia podem afetar de forma negativa e desigual a saúde mental das crianças. Um terço de uma amostra de conveniência de pais americanos relatou que seus filhos estavam mais tristes, deprimidos ou solitários desde o início da pandemia.

Dados longitudinais de crianças na China com idades entre 9 e 16 anos mostraram um aumento nos sintomas depressivos, além de pensamentos e comportamentos suicidas em comparação com a época anterior à implementação das restrições de isolamento domiciliar contra a COVID-19.

Fechamento e reabertura das escolas

As decisões sobre o fechamento de escolas na pandemia de COVID-19 e durante potenciais futuras pandemias precisam equilibrar riscos e benefícios. As consequências para a saúde mental infantil são um risco potencial e os dados sobre os resultados da educação à distância para a saúde mental podem informar esse cálculo decisório. 

A obtenção de dados confiáveis ​​sobre até que ponto as diferentes modalidades de ensino estão associadas ao futuro dos jovens é fundamental para informar esses modelos. Isso pode ajudar a orientar a tomada de decisões em nível local e nacional à medida que a atual pandemia progride ou mesmo durante futuras pandemias.

Em uma amostra com milhões de pessoas e nacionalmente representativa de pais de jovens em idade escolar nos Estados Unidos, o presente estudo buscou caracterizar o padrão sociodemográfico da modalidade escolar, avaliar até que ponto a modalidade escolar estava associada aos resultados de saúde mental dos jovens e descrever como essas associações variaram de acordo com a idade da criança e nível socioeconômico.

As crianças mais velhas que estudam em casa tiveram resultados de saúde mental piores em comparação com aquelas que frequentaram a escola pessoalmente. Já as crianças mais novas que frequentaram a escola remotamente tiveram resultados de saúde mental comparáveis ​​ou ligeiramente melhores do que aquelas que frequentaram pessoalmente. 

Embora uma fonte lógica de apoio sejam os recursos de saúde mental baseados na comunidade e na escola, informações adicionais sobre os caminhos que conduzem às desigualdades na saúde mental são críticas para informar as abordagens de intervenção. 

Esta análise, por exemplo, sugeriu que as dificuldades emocionais foram responsáveis ​​pela maior proporção dos desafios à saúde mental. Problemas emocionais devido à diminuição da conexão social ou rotinas de comportamento de saúde perturbadas, como diminuição da atividade física, podem ser remediados naturalmente conforme a escola retorna ao aprendizado pessoal. 

As preocupações decorrentes dos desafios impostos pela perda de aprendizagem mediada pela tecnologia durante a escolaridade remota podem ser mais bem atendidas por intervenções acadêmicas do que por intervenções de saúde mental.

Embora a razão para isso não possa ser determinada de forma conclusiva a partir dos dados presentes, uma possibilidade é que os grupos de aprendizagem se baseiam de forma mais eficaz no envolvimento educacional desenvolvido durante a instrução presencial, mantendo as crianças envolvidas e apoiando-as na transição eficaz entre as modalidades híbridas.

Até o momento, as reaberturas priorizaram as crianças mais novas por causa das taxas de transmissão mais baixas em comparação com os alunos mais velhos e a carga de cuidados relativamente maior que exigem dos pais que trabalham. 

Infelizmente, os resultados atuais sugerem que o fechamento de escolas tem sido desproporcionalmente prejudicial ao ajuste da saúde mental para crianças mais velhas, com tamanhos de efeito na faixa pequena. As crianças mais velhas que estudam remotamente podem precisar de apoio direcionado, tanto agora quanto no eventual retorno às aulas presenciais.

Aumento das desigualdades

As sequelas de saúde mental associadas ao fechamento de escolas foram padronizadas ao longo de linhas sociodemográficas de duas maneiras.

Primeiro, as crianças de famílias de baixa renda, junto aos filhos de pais afrodescendentes e hispânicos, tinham muito menos probabilidade de frequentar a escola pessoalmente do que seus colegas de famílias de alta renda ou com pais brancos, o que é consistente com pesquisas anteriores.

Como o fechamento de escolas geralmente estava associado a resultados piores — em particular para crianças mais velhas — essa probabilidade elevada de aprendizagem remota sugere que o fechamento de escolas também estava associado a disparidades raciais e étnicas nos resultados de saúde mental. 

Essas diferenças na modalidade escolar podem, em parte, resultar de diferenças nas opções disponíveis. Pesquisas anteriores descobriram que escolas particulares, desproporcionalmente povoadas por crianças brancas não hispânicas de famílias relativamente ricas, tinham mais probabilidade de abrir durante a pandemia do que escolas públicas.

Efeitos na saúde mental dos jovens

Os efeitos negativos do ensino escolar remoto na saúde mental infanto-juvenil incluem: perda de conexão social; diminuição do acesso aos serviços de saúde mental; falta de identificação, relato e apoio para jovens que sofrem abuso ou maus-tratos em casa; consequências psicossociais aumentadas pela falta de refeições gratuitas ou a preços reduzidos; rotinas interrompidas e falta de estrutura; e estresse relacionado ao aprendizado online.

As crianças mais velhas e os adolescentes — que cursam o ensino médio e, dessa forma, têm compromissos acadêmicos mais exigentes e de riscos elevados, além das relações sociais mais complexas — podem correr um risco maior.

A perda de acesso aos cuidados com a saúde mental fornecidos nas escolas pode ser de grande importância para os jovens de famílias de renda média a baixa, já que eles têm maior probabilidade de receber serviços de saúde mental apenas de sua escola.

A dificuldade de acesso e envolvimento com o ensino a distância devido às limitações tecnológicas ou durante o processo é mais provável em jovens de famílias com renda mais baixa, o que contribui com desequilíbrios e injustiças no processo de aprendizagem durante o ensino remoto.

Intervenção familiar

As diferenças também podem originar-se de padrões demográficos estruturalmente determinados na tomada de decisões familiares. Descobertas anteriores sugerem que famílias menos ricas, afrodescendentes e hispânicas tendem a confiar menos na possibilidade de as escolas de seus filhos mitigarem adequadamente o risco de contágio por COVID-19.

Esses pais e responsáveis também são mais propensos a viver em uma casa com um membro da família de alto risco. Como resultado, eles podem ser mais propensos a escolher a instrução remota quando têm uma escolha de modalidades.

A segunda maneira pela qual as sequelas de saúde mental foram associadas ao fechamento de escolas está relacionada à força dos benefícios do ensino presencial. Entre esses benefícios está justamente o oferecimento de assistência psicológica oferecida pela saúde pública em parceria com as escolas.. 

A renda familiar mais alta foi associada ao maior benefício de frequentar escolas pessoalmente em comparação com renda mais baixa, com análises exploratórias sugerindo que as diferenças foram motivadas por conduta e hiperatividade. 

Atualmente, a maioria das famílias está lutando para apoiar a aprendizagem de seus filhos em ambiente doméstico. No entanto, os desafios podem ser maiores entre as famílias com baixa renda que carecem de flexibilidade no local de trabalho ou de recursos financeiros para trabalhar menos horas ou pagar pela supervisão de suas crianças.

Formar parcerias com outras famílias, nas quais grupos de crianças realizam atividades escolares remotas juntos, é uma abordagem que 6% das famílias nos Estados Unidos adotaram para sustentar seus filhos e reduzir as demandas dos pais relacionadas à essa modalidade de ensino.

Recursos e algumas considerações

Debates estão em andamento sobre os custos e benefícios do fechamento de escolas durante a pandemia de COVID-19. A modelagem de simulação levanta preocupações de que o fechamento de escolas pode catalisar de forma negativa a saúde infantil e influenciar nos resultados econômicos ao longo da vida.

Além disso, a redução dos riscos à saúde mental pediátrica é um problema que antecede a pandemia de COVID-19. O acesso aos serviços comunitários durante o fechamento da escola pode ser desafiador por razões financeiras ou devido à falta de relacionamentos pré-existentes com cuidadores. Portanto, é fundamental promover o uso dos recursos existentes nas escolas. 

No entanto, durante a pandemia, professores e alunos, além dos conselheiros escolares, passaram menos tempo trabalhando diretamente. Isso se deve, em parte, à solicitação para preencherem funções logísticas ou administrativas durante os pivôs rápidos da escola para o ensino remoto. 

As decisões de financiamento escolar que permitem que as escolas reabram com segurança podem ajudar a minimizar as disparidades na saúde mental infantil.

O financiamento adequado e a priorização de funções são necessários para o estabelecimento de saúde com o efetivo clínico treinado nas escolas — como psicólogos, terapeutas e psiquiatras — seja capaz de se concentrar na prestação de cuidados de saúde mental para os alunos. 

Além do efetivo pessoal, pode haver outras oportunidades organizacionais para fortalecer a conexão com os apoios de saúde mental baseados na escola e na comunidade durante o aprendizado remoto e quando os alunos retornarem às salas de aula. 

Isso pode incluir a construção de rotinas que conectem os alunos aos conselheiros escolares (por exemplo, por meio de triagem ou check-ins periódicos), além da possibilidade de testar formas novos formatos de apoio à saúde mental, como intervenções online de sessão única. 

*Conteúdo parcialmente traduzido do artigo “The Association Between School Closures and Child Mental Health During COVID-19”, publicado no Journal of American Medical Association (JAMA).

Dot.Lib
Dot.Lib

A Dot.Lib distribui conteúdo online científico e acadêmico a centenas de instituições espalhadas pela América Latina. Temos como parceiras algumas das principais editoras científicas nacionais e internacionais. Além de prover conteúdo, criamos soluções que atendem às necessidades de nossos clientes e editoras.

Quer conhecer o nosso conteúdo?

Podemos lhe oferecer trials (períodos de acesso de teste gratuitos) dos conteúdos de nossas editoras parceiras. Se você tem interesse em conhecer alguma de nossas publicações ou soluções de pesquisa, preencha o formulário ao lado.

Informe os dados abaixo.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza a Dot.Lib a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.