Dot.lib

Fonte: iStock Fonte: iStock
Como está o desempenho da produção científica no Brasil?
  • Artigo
  • Dotlib
  • 21/11/2019
  • pesquisa no Brasil, produção científica

Nos últimos anos o Brasil registrou um crescimento rápido na produção científica, apesar de possuir uma economia emergente. Um dos principais destaques é que o país manteve o status como um dos países do BRICS, ao lado da Rússia, Índia, China e África. É o que mostra os dados do relatório "Pesquisa no Brasil: Promovendo a Excelência", preparado pelo Grupo Web of Science, sobre o desempenho da pesquisa no Brasil, descrevendo tendências recentes dos artigos brasileiros publicados no período de 2013 a 2018.

O método utilizado para essa análise é a bibliometria com base nas informações da Web of Science, classificados como artigos ou revisões e que adotam a revisão por pares. Dessa forma, são publicações com resultados de pesquisas confiáveis. Neste post, vamos mostrar uma visão geral sobre a pesquisa científica no Brasil dentro de um contexto global diante dos principais pilares abordados no relatório como: produtividade, impacto da citação, comparações internacionais e colaborações internacionais. 

Produtividade

Segundo o estudo, o Brasil ocupa a 13ª posição no mundo na produção de artigos e revisões de pesquisas indexados na Web of Science, entre 2013 e 2018, logo depois da Índia (10º), Espanha (11º) e Coréia do Sul (12º). Porém, à frente da Rússia (15º e da África do Sul (21º). 

No período avaliado foram indexados na Web of Science 208.912 artigos ou revisões. Além disso, mais de 60 mil publicações em periódicos SciELO, que não são contabilizados para avaliação na Web of Science.

Em 2018, os pesquisadores brasileiros publicaram mais de 50.000 artigos indexados na Web of Science. O crescimento foi de 30% no número de publicações nesse período de 6 anos, sendo o dobro da média global (15%). 

Ao longo desses 6 anos é expressivo o crescimento da produção brasileira diante das constantes mudanças econômicas e por ser considerado um país de economia emergente.
Artigos e Revisões indexados na Web of Science, 2013 – 2018.

Impacto da citação

Os indicadores utilizados pelo sistema bibliométrico de avaliação são o top 1% e o top 10% dos artigos mais citados no mundo. Diante disso, as publicações brasileiras no top 1% dos artigos mais citados do mundo é consistentemente próximo a 1% durante esse período de 6 anos. Em 2016, superou a média mundial, como mostra o gráfico a imagem à esquerda.

No painel à direita apresenta a porcentagem de artigos brasileiros publicados que estão entre os 10% mais citados no mundo. Ao avaliar esse quesito, o país está abaixo da média e isso é mais evidente nos últimos anos.
 Percentual de artigos Brasileiros no top 1% e top 10% dos artigos mais citados, 2013 – 2018 (media mundial indicada na linha pontilhada).

Comparações internacionais

São diversos elementos que colaboram para a influência da produção de um país entre eles: a força da economia, as colaborações internacionais e o investimento em pesquisas. Em comparação com os outros países do BRICS, a produção brasileira de pesquisa está na média, com mais publicações do que as da África do Sul e Rússia.

O impacto de citação do Brasil é maior do que a Rússia e Índia. E a China está acima da média mundial e tem a maior produção de artigos revisados por pares.

Em relação aos países desenvolvidos, o Brasil tem um menor impacto de citação atrás do Japão, que é o único país comparador desenvolvido com um impacto de citação abaixo da média. Em comparação aos países da América Latina, o país publica mais artigos conforme mostra a imagem abaixo:
Produção e Impacto de Citação Normalizado da Categoria (CNCI) de todos os países comparativos excluindo China. O diâmetro do círculo é proporcional ao percentual de documentos (Artigos e Revisões entre os 1% dos artigos mais citados do mundo, 2013 - 2018.

Colaboração internacional

Dentro do período analisado, os pesquisadores brasileiros colaboraram com cientistas de 205 países. Isso representa que cerca de um terço de todos os trabalhos da Web of Science possui autores nacionais. O maior número de artigos em coautoria internacional é publicado com autores nos Estados Unidos, embora esses artigos não tenha o maior impacto de citação.

As contribuições foram para países como o G7, países vizinhos da América Latina e outros países do BRICS. O maior número de artigos em coautoria internacional é publicado com autores nos Estados Unidos. 

O crescimento da porcentagem de artigos com um coautor internacional diminuiu de 17,5% entre 2013 e 2015 para um aumento de 1,8% entre 2016 e 2018.

Colaboração internacional com países selecionados 14 por diferentes áreas de pesquisa.

Como observamos, o Brasil está em constante progresso em pesquisas científicas, avaliando esse período, entre 2013 a 2018 e mantém a sua posição de 13º maior produtor mundial. Isso é reflexo dos importantes investimentos no setor de pesquisas. Para ter acesso ao conteúdo completo deste relatório, clique aqui.


Dot.Lib
Dot.Lib

A Dot.Lib distribui conteúdo online científico e acadêmico a centenas de instituições espalhadas pela América Latina. Temos como parceiras algumas das principais editoras científicas nacionais e internacionais. Além de prover conteúdo, criamos soluções que atendem às necessidades de nossos clientes e editoras.

Quer conhecer o nosso conteúdo?

Podemos lhe oferecer trials (períodos de acesso de teste gratuitos) dos conteúdos de nossas editoras parceiras. Se você tem interesse em conhecer alguma de nossas publicações ou soluções de pesquisa, preencha o formulário ao lado.

Informe os dados abaixo.
Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo site, você autoriza a Dot.Lib a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.